Números do Setor Aeroespacial

3º maior

Fabricante de Aeronaves Civis: Embraer

100% de participação de empresas estrangeiras

Permitida em Companhias Aéreas Nacionais

5x de crescimento

da Exportação de Aeronaves Militares em 4 anos

US$ 5,5 bilhões/ano

Média de Exportações Aeroespaciais

O Brasil tem a indústria aeroespacial de melhor desempenho na América Latina, de acordo com o relatório da Fitch (2018), desenvolvendo tecnologias complexas e avançadas e empregando uma mão de obra altamente qualificada. O setor aeroespacial tem um papel fundamental na segurança nacional, economia e desenvolvimento tecnológico. As empresas brasileiras estão envolvidas em todos os estágios das atividades aeronáuticas, espaciais e de defesa, incluindo design e desenvolvimento, fabricação, produção, tecnologia, vendas, suporte ao cliente e serviços aeroespaciais.

 

Produtos brasileiros como aviões, helicópteros, segmentos estruturais, motores, peças de aeronaves e de motores, sistemas e equipamentos embarcados e sistemas de controle de tráfego aéreo são desenvolvidos localmente e exportados globalmente. No coração do cluster aeronáutico está a Embraer, que se tornou uma das maiores fabricantes mundiais de aviões comerciais e líder no segmento de aviação regional. A Embraer está localizada no estado de São Paulo e seu entorno reúne mais de 130 empresas em um cluster aeroespacial focado na produção científica e tecnológica aplicada.

null
null

Destaques do Setor

  • A brasileira Embraer é uma das maiores fabricantes mundiais de aviões comerciais e líder no segmento de aviação regional
  • Desde 2019, empresas estrangeiras podem ter até 100% do capital de uma companhia aérea nacional
  • O número de aeronaves militares brasileiras exportadas saltou de 20 em 2014 para 103 em 2018
  • O Brasil possui a Base de Alcântara, o centro de lançamento de foguetes mais próximo do equador em todo o mundo
  • As exportações aeroespaciais brasileiras mantêm uma média de US$ 5,5 bilhões/ano

Histórico de investimentos

O setor aeroespacial experimentou um volume significativo de fusões e aquisições nos últimos dois anos. A cadeia produtiva aeroespacial no Brasil tem sido destino de investimentos greenfield e de expansão de empresas como Advantech Wireless Technologies, Rockwell Collins, Rolls-Royce Holdings plc, Vertolety Rossii, Nauchno-proizvodstvennaya korporatsiya Irkut PAO e AgustaWestland.

null

Destaques em projetos de investimentos

  • Foi lançado em 2016 o Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (Gripen Design and Development Network - GDDN). O centro foi montado nas dependências da Embraer em Gavião Peixoto, São Paulo, como hub de desenvolvimento tecnológico do Gripen no país. No final de 2017, 110 engenheiros de desenvolvimento trabalhavam no GDDN e cerca de 90 deles são brasileiros.
    • À medida que Embraer, Akaer, AEL Sistemas, Atmos, DCTA e outras empresas se beneficiam do programa Gripen, o Brasil vai desenvolver capacidades e gerar conhecimento para o desenvolvimento e manutenção das aeronaves de combate multi-missão mais avançadas do mundo.
  • O Embraer EMB-314 Super Tucano (A-29) já é operado por mais de 17 Forças Aéreas em todo o mundo. O modelo está incluído na fase final de uma licitação da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) para a compra de novas aeronaves de ataque leve.

Vídeos
null

Apex-Brasil e a pandemia da Covid-19.

Roberto Escoto, Gerente de Investimentos da Apex-Brasil, tem uma mensagem para você. Saiba como a Apex-Brasil está apoiando investidores estrangeiros durante a pandemia da Covid-19 (vídeo apenas em inglês).

Podemos ajudar?

Podemos ajudar?

Fale conosco e receba informações customizadas para o seu negócio.

Gabriel Zimmer
Fale com Gabriel Zimmer
Analista de Investimentos
Janaína Melo
Fale com Janaína Melo
Analista de Investimentos

null

A Apex-Brasil apoia empresas Aeroespaciais que ainda não estão no Brasil e empresas que já estão estabelecidas aqui. Também prestamos serviços para quem busca desenvolvimento e inovação no Brasil.

null

Encontre um parceiro brasileiro

Desde 2019, a Apex-Brasil e o Parque Tecnológico de São José dos Campos, mantém um projeto que visa fomentar parcerias entre empresas estrangeiras e brasileiras. O parque abriga o cluster aeroespacial brasileiro, com uma presença sólida e tradicional entre empresas, universidades, governo e todos os atores relevantes.

Em outubro de 2020, o projeto realizou uma sessão de matchmaking focada na indústria na indústria espacial. Haverá outra sessão no dia 13 de novembro.

O projeto produziu um portfólio com empresas brasileiras selecionadas que estão prontas para estabelecer parcerias com empresas estrangeiras. Para encontrar um parceiro brasileiro, clique no link abaixo.